Arquivo da categoria: Música

Hot Rod Style e Pinups

A partir desta sexta feira, dia 21 de Outubro, a cidade de São Bernardo vai receber mais uma vez o evento Hot Rod Style.

PhotobucketCom o objetivo de proliferar a cultura “custom” de carros no estilo Hot Rod, o evento contará com exposição de diversos modelos de carros clássicos e customizados, motos, expositores, várias bandas ao estilo rockabilly e blues, praça de alimentação e um fantástico concurso de Pin ups.PhotobucketO evento terá início as 14h dessa sexta feira. No sábado e domingo o evento terá início apartir das 8h00 da manhã. O encerramento está previsto para o Domingo as 17h com um desfile de todos os carros expostos pela Avenida Kennedy em São Bernardo do Campo.PhotobucketPhotobucket

Para quem quiser saber mais detalhes sobre o evento, basta acessar: (http://www.hotrodbrasil.com.br)

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Cultural, Fetiche, Música, Urbano

Heroina e Rock’n’Roll

Provavelmente já devia fazer mais de uma década que eu não lia um livro, sempre me atendo somente a matérias de revistas ou jornais e nada mais. Só o fato de ver aquelas mais de 50 páginas já me dava preguiça… por isso mesmo nem via!

Fato é que há mais de um ano atrás descobri que Nikki Sixx, baixista do Mötley Crüe, banda de Hard Rock da qual gosto muito, lançou um livro e um CD entitulados “The Heroin Diaries”. No ano passado o livro foi lançado no Brasil com o título “Heroina e Rock’n’Roll”.

O que a principio apenas a vontade de ler sobre essa trajetória autobiográfica de um ídolo, acabou se tornando algo muito mais profundo. Depois de ter achado um velho diário e manuscritos em papeis e jornais, até então esquecidos, Nikki Sixx decidiu contar sobre o fundo do poço em que chegou sua vida durante o ano de 1987, durante as gravações e turnê do álbum “Girls, Girls, Girls” trazendo a tona toda sua insanidade e desventuras em virtude do vício.

Apesar de ser uma verdadeira história dramática e insana, o livro trás passagens cômicas dignas de risos, e contempla além do diário, a visão atual do próprio Nikki e de personagem que fizeram parte daquele ano alucinógeno de Nikki, que na maioria das vezes traduz de uma forma completamente oposta ao que Nikki escreve no diário.

Como o co-autor jornalista Ian Gittins descreve na introdução: …“Não conheço outras estrelas do rock que tenham sido tão honestas e corajosas como ele, neste depoimento. The Heroin Diaries (Heroina e Rock’n’Roll) não é fácil de ler, mas é um livro que você jamais esquecerá”*

Com toda certeza, eu garanto!

Nunca achei certo escrever ou citar transcrições de livros (prefiro escrever eu mesmo com minhas palavras, mas neste caso preciso abrir uma exceção:

Trecho inicial do Livro:

“25 de Dezembro de 1986

Feliz Natal

Bem, é o que as pessoas dizem no Natal, certo? Normalmente elas tem alguém a dizer. Tem amigos e familiares a sua volta. Não foram encontradas nuas, com uma agulha no braço, como um louco, sob uma árvore de natal, numa mansão em Van Nuys.

Não estavam fora de si, escrevendo num diário, e também não estavam passando essa importante data religiosa congelando o próprio sangue numa colherinha…”**

Se nos anos 80 “Cristiane F.” foi um marco sobre a verdade por trás de uma história sobre drogas, com certeza “Heroina e Rock’n’Roll” deveria ser um este novo marco da atualidade… Pena que ninguém divulga isso!

*/** – Trechos retirados da publicação “Heroina e Rock’n’Roll” – Editora Larousse

7 Comentários

Arquivado em Cotidiano, Cultural, Livro, Música, Urbano

500 da KISS de todos os tempos

Neste ano de 2009 fiz uma vasta pesquisa e consegui localizar a lista das 500 da KISS desde sua primeira edição em 2000.

Não há como creditar 100% de confiabilidade – mesmo porque a própria KISS teve seus erros repetindo as mesmas músicas numa única lista – porém está bem perto disso.

Durante as 500 da KISS deste ano, irei atualizando constantemente esta página do Blog com a classificação de cada música nos anos anteriores e sua classificação num Ranking Geral que criei, a partir do princípio que a primeira música leva 500 pontos e a última apenas 1.

No mais, algumas curiosidades interessantes também surgirão.

 No total geral, até hoje, em 9 edições das 500 da KISS foram 1511 músicas diferentes tocando.

 Vai começar!

***

POR MOTIVOS DE ESPAÇO DE MEMÓRIA, A LISTAGEM DA KISS FOI POSTADA EM OUTRO BLOG DE MINHA PRÓPRIA AUTORIA, EXCLUSIVO PARA O ASSUNTO ‘ROCK’

SEGUE O LINK ABAIXO!

http://rockexpress.wordpress.com/2010/01/14/500dakiss/

10 Comentários

Arquivado em Música

Happy Birthday Gene

Hoje faz exatos 15 anos… quem diria, 15 anos que se passaram desde a fantástica tarde em que estive frente a frente com meus ídolos de infância e que serão provavelmente por toda minha vida.

Não que essa data esteja marcada no meu calendário com um círculo ou algo do gênero, nada disso! Foi a Dani quem me lembrou do aniversário do Gene e me questionou se por acaso eu não escreveria um “post” sobre… parei e pensei  “mas escrever o que? Parabéns Gene?…”, pensei no que essa data poderia me recordar e BOOOOOM (Sonic Boom!!!) lembrei das congratulações que todos demos a Gene no seu 45 aniversário, em pleno auditório do Maksoud Plaza onde o KISS se hospedou naquela segunda passagem pelo Brasil… sim lá estava eu,credencial no peito e câmera fotográfica na mão com meu amigo Fábio pagando uma de repórteres de uma revista inexistente de Santa Catarina.

Com certeza  essa foi umas das grande façanha que eu pude realizar.

Naquela época eu trabalhava como atendente no Banco Bradesco de Joinville, para onde eu havia conseguido uma transferência naquele mesmo ano a fim de mudar um pouco de ares de São Paulo. Para meu azar, justamente na época em que eu estava fora de São Paulo, a banda que sempre idolatrei, o KISS, voltaria a tocar em terras brasileiras depois de 11 anos fazendo parte do então aguardado Monsters of Rock que se realizaria pela primeira vez no Brasil.

Obviamente que eu havia pedido para meus pais comprarem o ingresso para mim e estaria aqui para assistir ao show, mas apenas na segunda feira que antecedia o show do sábado é que caiu a ficha “meu Deus, eu precisava conhecer e estar perto daqueles caras…” e compelido pelo sentimento de um conhecido que sempre conseguia o acesso a uns shows desse tipo, comecei imediatamente arquitetar um plano. Em rápidos telefonemas descobri o telefone da produtora do show. Mentalmente idealizei uma revista de música chamada “Windows” e criei um chefe, o José Fernandes – eu.

Faltava uma coisa, um telefonema para a produtora. Para ilustrar esse famoso telefonema, imaginem que eu não tinha telefone e não podia ligar via telefonista do Banco, tendo visto que elas falariam para quem atendesse “… Banco Bradesco, um momento…”. A parte superior da agência era como um grande galpão onde todos viam todas as mesas de todos, ate mesmo a mesa do Gerente Geral era apenas provida de divisórias translúcidas de vidro, cercada pelas mesas dos outros gerentes… e infelizmente o telefone que jazia sobre aquela mesa era o único que fazia ligações interurbanas sem qualquer intermédio. Mas meu objetivo era maior que tudo e nada me impediria de no mínimo tentar arduamente e foi assim, esperei que ele levantasse para o almoço e minutos depois eu atravessei a agência sem pestanejar até a sua mesa e peguei o telefone… “Alô… aqui é o Sr. José Fernandes – eu –  da revista Windows… aqui de Joinville, Santa Catarina… queria mandar um repórter e um fotografo – eu de novo – para a cobertura do show…” e foi isso. Fui instruído a enviar um FAX com um release sobre o assunto da revista, que o fiz com a ajuda de um amigo que trabalhava em uma agência no dia seguinte.

Monsters of RockBem, mas a missão ainda não havia sido cumprida por inteiro, afinal eu ainda necessitava de mais uma ligação para confirmar a credencial… o tempo urgia e o KISS chegaria a São Paulo na quinta feira e não pensei duas vezes… na quarta cheguei na agência com um único objetivo: ver o gerente geral ir almoçar! Quanto mais esperava, mais ansioso ficava… foi ele levantar e eu tremer, mas como da primeira vez, nem pestanejei, porém se na segunda feira eu havia passado por todos como se uma manta invisível me cobrisse, desta vez parecia que eu tinha estava com um holofote sobre minha cabeça e eu via as cabeças me seguindo e eu nem ai… telefone na mão… “Alô… aqui é o Sr. José Fernandes da Revista… quero confirmar as credencias…” daí que eu ouço ao outro lado do telefone algo tipo “…manda os repórteres que nós vemos aqui…” e a chance praticamente escapava pelos meus dedos quando sem pensar emendei “Desculpe? Pensa que isso é brincadeira? Gastar passagem de avião e hospedagem para dois funcionários sem a certeza que eles poderão fazer a cobertura? Qual o senso de profissionalismo que vocês pensam ter?…” o tom seco e elevado foi o suficiente para obter a resposta que me fez sair pulando da mesa do gerente geral diante de tantos olhares “…desculpe Senhor, pode mandá-los que nos arrumaremos as credencias…”

Naquele dia sai dali direto para comprar a passagem de ônibus das 21h00 daquela mesma noite. Foi uma noite totalmente em claro, somente pensando nos dias que viriam a seguir…

Então nesse dia do 60º aniversário de Gene Simmons eu vou comemorar a lembrança do seu 45º.

E parece que foi ontem que tudo isso aconteceu…

GO GENE… COLD GIN!!!!

8 Comentários

Arquivado em Cotidiano, Música

Rock Express

Parece que o mundo do Rock e Hard Rock está agitado nesse segundo semestre. Muitos lançamentos mundiais e shows aqui pelo Brasil.

Sonic BoomO KISS liberou essa semana a versão completa da música “Modern Day Delilah”  que pode ser ouvida no www.kissonline.com que fará parte do album a ser lançado dia 6 de outubro nos USA.

Quem também liberou o novo single para os fãs foi o BON JOVI. “We weren´t born to follow” já está disponível na integra para se ouvir no Bon Jovihttp://bonjovi.com/bonjovi/splash/

O que podemos ouvir nessas prévias é que  o KISS promete realmente um albúm bem Hard Rock, exatamente aquilo que o seus fãs esperam.

Por outro lado o Bon Jovi parece que nunca mais conseguirá atingir aquele som brilhante e hard que os impulsionou ao topo como “You give love a bad name”, “Living on a prayer”, “Runaway” entre tantas outras que fizeram parte dos seus primeiros trabalhos… mas fica aqui a expectativa para as outras músicas… quem sabe ainda não nos surpreendam!

O importante é que eles continuam agitam… Keep Rockin’ !!!!

Deixe um comentário

Arquivado em Música

Dia Mundial do Rock

Em homenagem ao dia mundial do Rock, um ‘remake‘ de um texto que escrevi no ano passado sobre a volta do bom e velho estilo Rock ao contexto musical atual.

O Rock está de volta

A história nos mostra que as várias gerações existentes até a década de 70 foram gerações que mudaram o mundo em um contexto social e político. Guerras, revoltas e manifestação deram a oportunidade de iniciar uma mudança na década de 70, porém ainda um tanto quanto tradicional e com valores. Então chegaram os anos 80 o ápice das mudanças culturais e a definitiva quebra das barreiras existentes.

A década de 80 será sempre a década que a velha geração nunca entendeu; a nova apenas tentará copiar e aqueles que viveram jamais esqueceram. Trilhando um rumo pouco diferente da tendência pop, seguindo os caminhos do rock e hard rock, e a alternatividade dos anos 80, vi na cena musical o rock crescendo; vi o grunge tomar seu espaço e depois morrer e quando percebemos o bom rock apenas sumiu. O ‘bum’ da MTV mundial parecia maravilhoso, até se render e se vender a mercadologia televisiva corrompida. Diante da necessidade da mídia algumas poucas bandas ainda buscaram seu lugar ao sol, tentaram mudar seus estilos para acompanhar a tendência, principalmente regida por Seatlle e com isso perderam um pouco (ou alguns casos muito) da sua ideologia. Os membros das grandes bandas também se renderam a fama e ao poder e deixaram seus egos se achar maior que todos ao seu redor e se desmancharam. Apesar de ter criado algumas boas bandas alternativas e gerado um ou outro clássico, em minha opinião Seattle significativamente, assim como seu clima, criou uma nuvem negra sobre o rock e seus precursores. E então o rock sumiu…

Os anos 90 não tiveram expressão alguma, apenas passaram ofuscando o passado e criando incertezas para o presente.

Felizmente já algum tempo tenho notado que essa nuvem dissipou. A necessidade de uma geração oitentista ainda ativa e sedenta por mudanças comportamentais, culturais e de valores precisava acordar novamente. Nos Estados Unidos surgiu um novo canal televisivo chamado VH1, o próprio substituto da época dourada da MTV. Adotou o público órfão da cena musical televisiva e reuniu velhas bandas, tocou o clássico e mostrou para a nova geração os bons e velhos vídeos clips. O cenário musical noturno se proliferou de baladas oitentistas, as chamadas ‘baladas trash”, atraindo a nova geração e a geração dos anos 80. A extravagância do visual se foi, mas o conceito permaneceu. Ainda há alguns lugares tradicionais que vive exatamente o mesmo clima e visual dos anos 80 e é exatamente com se entrasse numa máquina do tempo com todo o Glam Rock dos bons tempos.

Mas tem algo que me deixa mais feliz, do que apenas saber que a década 00 do século 21 é um flashback dos anos 80. O cenário musical rock voltou. Voltou com o velho estilo rock remodelado aos novos tempos mas com a mesma pegada, a pureza distorcida de seus riffs, melodias e letras. Os velhos ídolos ressurgindo das cinzas em visuais modernos e ainda com aquela gana de voltar a ser astro do rock. Seus egos e melindres se rendem ao companheirismo dos antigos amigos e companheiros de banda. Há exceções daqueles que apesar de tentarem, não conseguem nem mesmo dormir com seus próprios egos, mas digamos que na maioria a coisa volta a fluir. Eles já beberam, cheiraram e fumaram, viram amigos irem para o outro lado, fizeram as extravagâncias que podiam e parecem ter voltado mais sãos. Não que tenham deixado de lado sua insanidade, senão não teria a menor graça, mas parecem no mínimo mais comedidos.

O rock acordou… Rock is back!

promo

4 Comentários

Arquivado em Cultural, Música

…e Bella virou Joan Jett

Fotos: Divulgação

Fotos: Divulgação

Kristen Stewart, a Bella de “Crepúsculo” vai interpretar Joan Jett (I love Rock’n’Roll) no filme sobre a banda de Rock “The Runaways”.

Katherine Moennig

Katherine Moennig

Seu novo visual lembra muito Katherine Moennig, do seriado “L Word”, que na minha opnião cairia muito bem no papel por sinal!

Dakota Fanning ficou com o papel Cherie Currie, Stella Maeve interpretará Sandy West e por fim Alessandra Torresani estará na pele de Lita Ford.

rockexpress

6 Comentários

Arquivado em Música, Movies