Arquivo da tag: Trânsito

Essas palavrinhas…

Novamente lá estava eu, em meio ao transito caótico da metrópole, sempre se livrando dos infortúnios dos péssimos condutores e a má engenharia de tráfego a qual estamos inerentes. Sinceramente eu acho que estou vivendo em linhas contrárias, pois quanto mais imprudência eu vejo, menos paciência eu tenho.

E foi justamente por uma dessas faltas de paciência que ocorreu um fato muito engraçado, bastou um desses condutores imprudentes fazer uma tremenda besteira no transito para que eu tivesse vontade de explodir aos brados, porém antes de pronunciar caóticos palavrões, lembrei imediatamente que estava com a Gigi e a Giuli no carro, e isso foi a fração de segundos que me fez segurar por instantes meu brado. Mas aquilo ficou entalado na garganta o que me fez descarregar toda aquela energia apenas pronunciando uma palavra em voz branda: “Prostituto!!!!”.
Realmente achei que na hora essa palavra não faria o menor efeito possível, porém para minha surpresa e um acordo monetária o qual fiz com minhas pequenas (a cada palavrão pronunciado eu daria 50 centavos para elas) houve uma ligeira discussão no carro: A Gigi muito esperta denunciou na hora “Você falou um palavrão!!”. Antes mesmo que eu pudesse argumentar algo fui prontamente defendido pela pequenina Giuli “Não é não!”. Fiquei surpreso.

Mas a Gigi não se deu por vencida, e voltou a afirmar que era, sendo novamente repreendida pela Giuli, que se seguiu de uma notável e hilária explicação “Não é não, você não se lembra que nos fomos outro dia passear lá no Prostituto… Prostituto Butantã??” Nem preciso dizer o quando nos deliciamos em gargalhadas no carro e magicamente todo nervosismo já havia dado lugar para o bom humor de todos e ainda acabei economizando 50 centavos.

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em Cotidiano, Cultural, Urbano

Vida Urbana

Apenas um dia comum da metrópole. Pessoas indo e vindo para todos os cantos, contracenando com a grande quantidade de carros de uma cidade que nunca para. O sinal fecha e os carros param, emparelhando-se um a um.

Num típico emparelhamento desses, duas lindas amigas que dividiam a corona na volta do trabalho observam no carro ao lado dois homens muito bem aparentados e com muito estilo. Obviamente que as duas garotas começaram imediatamente a ter aquela inquietação típica, comentários discretos e tentando de uma maneira não muito extravagante chamar a atenção dos rapazes. Foram tantos sorrisinhos e comentários que enfim um dos rapazes notou as garotas e com um breve aceno de cabeça sorriu cordialmente de volta para as meninas.

Aquele gesto foi tudo que elas precisavam para se inquietar ainda mais e quando o farol abriu decidiram seguir o carro dos rapazes.

Pobres coitadas, toda aquela inquietação e sorrisos de nada demoraram a fazer as solteironas ficarem estáticas e abismadas em segundos… ahhh esses adesivinhos de famílias felizes!!

***

Poucas quadras daquele local, o transito intenso em uma avenida, provocava uma situação quase que similar. O jovem rapaz notou no carro ao lado uma mulher toda entusiasmada e com um sorriso um tanto quando mal intencionado.

Por um momento o rapaz não acreditava naquela cena, pois era praticamente algo que só se via em filmes. O flerte foi tão intenso quanto o transito que havia que ate algumas palavras foram trocadas e isto bastou para que decidissem parar um pouco a frente para um cafezinho e assim também esperar o trânsito melhorar.

Decidido que aquele era seu dia de sorte, o rapaz sinalizou que seguiria sua admiradora assim que o trafego fluísse, algo que não demorou muito a acontecer e poucos metros dali a mulher notando uma rua tranquila nos Jardins com vários cafés imediatamente deu seta e entrou à direita. O rapaz decidido não pensou duas vezes, também deu seta só que desta vez para a esquerda e assim seguiu seu caminho, afinal ele chegou à conclusão que não queria aumentar ainda mais aquela prole, ou mesmo fazer parte dela… ahhh esses adesivos!

***

Naquela mesma tarde, num barzinho qualquer da cidade, a galera vai de reunindo para aquele Happy Hour, afinal depois do dia de trabalho, nada melhor que dar uma esticadinha para um drink.

Entre um drink e outro, uma gatinha nota na mesa ao lado um bem aparentado rapaz, provavelmente um emergente executivo boa pinta, com sua gravata levemente afrouxada, mas ainda assim mantendo a postura, divertindo-se em gargalhadas com os amigos de escritório.

Furtivamente o rapaz notou a gatinha e começou utilizar-se de todo seu repertório de cantada para logo se engraçar para o lado dela. Papo vai, papo vem, logo a hora vai passando e o momento de ir se torna um ávido e gentil convite para uma carona, que é aceito prontamente pela gatinha.

Logo chega o manobrista, entregando a chave daquele maravilhoso carro Super Sport novinho e logo veio aquele sorriso imenso da gata. Apreciando detalhadamente aquele brilhante carrão enquanto ia para a porta do passageiro, ela pergunta sorrindo ainda “Nossa!!! Que carro lindo… ele é seu mesmo?” e tranquilamente ele faz um aceno positivo com a cabeça e ainda complementa: “Comprei no mês passado”.

Neste exato instante um taxi que vinha passando é repentinamente parado por ela, que entra no mesmo e vai embora apenas com um sorriso no rosto e sem deferir uma só palavra. O jovem executivo sem entender nada fica ali estancado com cara de bobo, quando nota vagamente um sorriso irônico do manobrista que continha uma provável risada.

O rapaz transcorre o olhar umas duas vezes para o carro, porém agora com cara de poucos amigos, e de repente se surpreende e num sobressalto se coloca dentro do carro e sai fritando os pneus de tamanho embaraço… ahhh esses adesivinhos!!!!

***

Agora você deve estar pensando se deve ou não arrancar os adesivinhos do carro??

5 Comentários

Arquivado em Cotidiano, Urbano

A ironia do Caos

Não, eu não sou comediante ou tampouco tenho dom para a coisa, mas tem coisas que acontecem que só mesmo a ironia par nos ajudar a rir e tirar o stress.

Por exemplo, hoje debaixo de uma baita chuva que caiu no final da tarde na grande São Paulo lá estava o display luminoso da Via Anchieta noticiando “PISTA MOLHADA”… MEU DEUS!!! Poderia ser um pouco menos redundante?? Algo tipo, utilizar a martirizante idéia dos auto atendimentos eletrônicos dos serviços de telefonia e escrever “O TEMPO DE ESPERA PREVISTO É ATÉ 40 MINUTOS” ou ainda poderiam ser um pouco mais persuasivos e mandarem “ESTÁ COM MEDO? ENCOSTE! VAI PIORAR” pelo menos assim aqueles que querer dirigir poderiam chegar aos seus destinos…

***

Porque é assim… basta uma gota no vidro do carro que certos motoristas abdicam completamente da direção, puxam a bíblia e o terço do porta luvas e começam a rezar e andar a 10km/h como se o mundo fosse acabar ali mesmo!

E ainda quando você olha para o lado e vê aquele motorista agarrado fervorosamente com as duas mãos na parte superior do volante e o rosto praticamente colado ao mesmo… Nossa desses eu tenho medo até mesmo com o tempo seco e sem transito!

***

Alias esse lance do clima em São Paulo é complicado. O Paulistano praticamente consegue viver as quatro estações do ano em um único dia. 

Bem que o pessoal lá de cima poderia ser mais coerente… Vai chover? Vai fazer sol? Que seja o dia inteiro! Esse lance de sair de casa de camiseta e voltar tremendo de frio, acaba com qualquer um…

***

E tem outra… você sai de casa cedinho com aquele calor prometendo; abre um pouco a janela para secar aquela roupa que jaz no varal e não seca por conta do frio dos dias anteriores e quando volta à noite percebe que sua roupa secou… mas encontra o chão do apartamento todo molhado por causa da chuva… e lá se vão uma dúzia de panos para secar o chão e que certamente vão tomar o lugar das roupas secas do varal por alguns dias!

***

Alguém pode, por favor, parar essa tralha toda que eu quero descer!!!

7 Comentários

Arquivado em Cotidiano, Urbano

Trânsito dos Infernos

 Outro dia cheguei à conclusão de que quando morrermos não iremos para o inferno, pois nós já vivemos nele!

Absurdo??? Nada! Perfeitamente plausível. E quer saber o inferno tem nome: TRÂNSITO.

Sim o trânsito é um inferno. Quando você mais precisa ele não anda, para tudo, trava. Você fica sem ação. Precisa atravessar apenas 3 quarteirões e demora mais de 30 minutos para fazê-lo. Se estivesse andando, percorreria 20 quarteirões em 30 minutos, mas de carro, nada feito! Fica ali, parado! Fica com vontade de simplesmente sair andando e deixar o carro por ali, tipo “Um dia de Fúria”.

transito

Você pega aquela via expressa e lá no meio, longe de qualquer saída, tudo para! Pressa. Para ajudar começa a chover o rio enche. Desespero! Quando consegue chegar ao seu destino, seu semblante está totalmente transtornado, fisicamente abalado e cansado que a irá e o stress tomam seu corpo por completo.

Enfim, é só o trânsito parar que o inferno começa.

Alguém tem dúvida que o inferno é aqui??

6 Comentários

Arquivado em Urbano